quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Saudade e flor

Conheci um senhorzinho, danado pra prosear, mastigava capim no talo pra poder passar o tempo. Enquanto falava seus causos antigos dava pra ver em seu sorriso a nostalgia daquela memória, contava da Rita nega que quando passava pela rua, levava no vestido a paixão que ele sentia no peito. O modelo que ela vestia era todo feito na renda, com florzinhas miúdas, alça amarrada nos ombros, riqueza de detalhes que só ele sabe contar. Tinha cheiro de alfazema nos cabelos, falha engraçada entre os dentes, uns cachos que não ficavam no lugar, voavam para um lado só, formando um par gentil de antenas. Quando dava Sete de Setembro e o vilarejo se juntava pra comemorar, essa era a melhor hora de namorar a Rita nega, que saía fugida pela janela de casa.
Era forró a noite inteira, fartura de comida que não acabava mais, bebida a vontade e sanfona também. Até hoje só uma coisa ele não se lembra se o primeiro beijo que roubou da Rita foi na praça a luz da lua ou escondido atrás da igreja. Sabe que nesse dia fazia um calor de moer e as ruas carregavam um perfume abafado, parecido com jasmim.
Hoje com 80 anos de idade, diz que viver tanto tempo não vale assim muito a pena, o que vale na verdade é aquilo que acontece no intervalo do tempo, a lembrança que não se apaga, o espasmo de alfazema no cacho de antena, a renda trabalhada na cor, o amor vivido pela Rita nega, o beijo roubado no dia da independência, a saudade sentida com cheiro de flor.

- Carine Morais

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

O som do amor

Que som tem o som do amor?
Toque no chão das folhas de Outono,
Barulho do mar antes de dormir,
assobio do vento no pé da orelha,
O triscar das mãos que arrepia o pelo.
Então você dispara: 
Em nada disso o amor nos diz.
Te conto os porquês.
Quem ama escuta longe,
Tem ouvido aguçado,
é capaz de ouvir silêncios,
pedrinha demorada 
que cai dentro do poço.
Quando te pergunto o que tens
e você me diz que é nada,
sou capaz de ouvir o tudo
dentro do vazio que fala.

- Carine Morais

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Nasce, cresce, reproduz e voa


Na poesia não existe gravidade, existe gravidez da palavra, dela nascem alguns rabiscos, desenhos que viram letrinhas, muitas se juntam formando pares feito duplas sertanejas e para aproveitarem a deixa viram notas musicais. 
Afinadíssimas desde pequenas, cantam sons por aí, barulho de buzina, estalo de beijo, fala dos bichos, batida de coração.
Como tudo nessa vida, poesia também cresce, de letra e som vira palavra, vira frase, vira texto, música, tradução, só não morre porque voa, nela não há gravidade, nem do fim e nem do peso das coisas que caem ao chão, porque os versos flutuam e é preciso muito esforço para alcança-los, mais que esticar os braços, requer as pontinhas dos pés, poesia depois que nasce, não se aquieta, ela salta vida a fora, poesia dança balé.

- Carine Morais

Eternamente Leminski

A lua no cinema

A lua foi ao cinema,
passava um filme engraçado,
a história de uma estrela
que não tinha namorado.

Não tinha porque era apenas
uma estrela bem pequena,
dessas que, quando apagam,
ninguém vai dizer, que pena!

Era uma estrela sozinha,
ninguém olhava pra ela,
e toda a luz que ela tinha
cabia numa janela.

A lua ficou tão triste
com aquela história de amor
que até hoje a lua insiste:
— Amanheça, por favor!


Fonte: Revista Bula 
(Os 15 melhores poemas de Paulo Leminski)
http://www.revistabula.com/posts/web-stuff/os-15-melhores-poemas-de-paulo-leminski

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

O cheiro do chão

Segurou o garoto no colo e ele lhe perguntou:
- Pai o que são as estrelas?
- Estrelas são os olhos da noite, vê como elas piscam pra você?
O menino sorriu engraçado.
- E o nariz da noite onde fica?
- Ha! A noite não tem nariz! Falou com voz de pesar.
- Então a noite deve ser triste. Afirmou o menino.
- Porquê? Perguntou o pai com surpresa.
- Porque quando as estrelas choram e as lágrimas caem do alto, ela não pode sentir o cheiro do chão que fica, o melhor cheiro que existe.

- Carine Morais
(A vida nesse instante)

Natal da Maria

Ontem conversando com minha sobrinha de três anos, ela olhou para a árvore de Natal e disse:
- O papai já montou o Natal lá em casa!

Seria lindo se todos pudessem montar o Natal como ela. 

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Entre sem bater

Aqui é lugar de amora, 
é lugar de amor, 
tem lugar pra todo mundo. 
É casinha simples, 
com paredes riscadas, 
são escritas com palavras. 
Tem cadeira de balanço, 
redinha preguiçosa, 
varanda linda com vista para o sol.
Tem pardal, tem sabiá, 
tem canário atrevido que namora
as tulipas existentes no jardim.
Sua base foi feita com carinho, 
toda cheia  de formosura, 
tijolos de prosa, piso de rima 
e por teto poesia.
Tem jiló com "g" e com "j", 
tem chuchu com "x" e com "ch", 
tem liberdade que voa, 
tem licença carimbada 
para ser o que quiser.
Por isso entre, 
mas tire os chinelos, 
o tapete é macio, 
faz cosquinha boa no pé que só, 
não se acanhe, se acomode,
risque as paredes, mas volte.
Tem amoras fresquinhas 
esperando por você.

- Carine Morais

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Pseudo - adulta

Quando era criança gostava de ser chamada de gatinha, me refiro ao tratamento dado pelos adultos quando se dirigiam a mim, ser tratada como gente grande era algo eminente entre os meus desejos, ainda que estivesse longe de ser. Fofinha era coisa de criança, bonequinha era infantil, princesa era comum demais, mas gatinha não, gatinha era adulto. Usava chupeta, mas queria ser gatinha, tomava mamadeira, mas queria ser gatinha, tinha medo de trovão, mas queria ser gatinha; era sublime e original até o dia em que fui desafiada: jogar a chupeta no lixo. Céus! era a coisa mais horrenda da vida, dormir sem a minha "pepeta", tatibitati de criancinha, mas eu era gatinha. 
- Que moça bonita, com uma chupeta tão feia! Disse meu vizinho adulto. Fiquei pra morrer. Imediatamente, joguei no matagal que crescia ao lado de casa, meus 4 anos de idade jamais permitiram tamanha ofensa, me livrei da danada; 1 x 0 pra mim. Caminhei por horas suaves, desfilei minha beleza sem chupeta pela tarde inteira, até que a noite chegou e com ela o pesadelo, dormir sem a borrachuda. A tristeza logo bateu, 1 x 1 para nós duas.
- O que você tem mocinha, porque não para de rolar na cama? - Dizia minha mãe preocupada.
- Nada não mamãe.
- Tem certeza?
- Tenho não.
- Há! já era de se imaginar e onde está sua chupeta?
- Joguei no mato.
- E porque a senhorita fez isso? Mamãe sabia me encher de gentilezas. Senhorita me fazia muito bem.
- Porque eu já cresci! Oras.
- É mesmo? Controlou o riso. Pois saiba que moça crescida nunca esconde quem ela é, e nem o que ela gosta de usar. Você gosta de sua pepeta não é verdade?
- Gosto sim!
- Então precisa ficar com ela até o dia que achar que é hora de deixá-la. É assim que as pessoas crescidas fazem. Está certo?
- Certo!
- Pois bem, aqui está. Abriu a mão que escondia por debaixo do cobertor.
- Uau! minha chupeta de volta!
- E sabe quem mandou entrega-la? O Senhor Osvaldo. Ele disse o seguinte: entregue isto para a gatinha que mora na casa verde. Só podia ser você.
Fui dormir aquela noite com milhões de sorrisos no rosto, depois daquele dia passei a usa-la somente antes de dormir, até chegar o momento em que tive que fazer como fazem as pessoas adultas, ao sentir que não mais precisaria, num belo dia, acabei por deixá-la.

- Carine Morais


sábado, 8 de dezembro de 2012

Confissão de uma estrela

Descobriu o teatro ainda na mocidade, o encontrou escondido por detrás de caixas de madeira, empoeiradas e aflitas esperando por suas interpretações, dentro delas estavam recortes de revista das grandes e renomadas atrizes, objetos de sua enormíssima inspiração. Ali dentro de casa ou na rua em que morava, criava-se seu pequeno palco, afinal de contas subir no velho caixote significava o início de seu derramamento teatral. E quanta presença! Ora, ninguém repetia as palavras de Scarlet em "O vento levou" melhor do que ela: "Mesmo que tenha de mentir, enganar, roubar ou matar, Deus é minha testemunha que nunca mais terei fome." abaixava-se segurando um punhado de terra invisível, tal qual a verdadeira cena do filme, depois de um breve suspense, ao por os pés no chão, recebia aplausos de si mesma.
Anos mais tarde, após estrondosa fama e aclamação do público, foi interrogada por uma jornalista  sobre quando havia descoberto o teatro. Respondeu solenemente: 
 -  Antes de conhece-lo o fazia por brincadeira, o descobri a sério, somente depois de louca.
 - Louca? Perguntou a jornalista confusa.
 - Sim, doida varrida! Esse era o diagnóstico da família e de todos que me viam encenar sobre um caixote. Foi aí que descobri que eu estava pronta.

- Carine Morais
Foto ilustrativa: misswallflower

sábado, 1 de dezembro de 2012

Eu pensei que morasse na poesia, mas é a poesia que mora em mim

Tentei recordar o dia em que fui apresentada a poesia, me refiro especialmente, àquela apresentação formal, com polidez e seriedade: ''muito prazer, poesia!'' mas talvez esse dia seja tão remoto, que já me escapuliu da memória ou quem sabe me senti tão a vontade e já achei que a conhecia, pode ter sido num sonho breve, comendo algodão doce ou numa brincadeira de roda, penso que a conheci cantando "escravos de Jó", porque eles jogavam Caxangá e Caxangá não faz sentido, mas pra mim ela era uma fruta. Quem sabe tenha sido brincando de amarelinha, me tornado a primeira menina a por os pés na lua, em último caso, se não fomos apresentadas pessoalmente, muito provavelmente uma árvore me contou. Lembro com carinho que a primeira poesia lida foi aos sete anos de idade, uma apresentação informal, lá estava ela, na cartilha de Português, seu nome era "Convite" de José Paulo Paes, me convidava a brincar com as palavras e brinquei, desde então nos tornamos companheiras, amigas de longo tempo, ela era para mim a casa querida que um dia eu quis morar, onde tudo é sempre novo.
Nosso encontro foi marcado pela contingência da vida, experiência concebida no ventre da palavra, um presente divino e por isso jamais pode ser esquecido. Pensando bem, a formalidade das apresentações pouco importa, primordial mesmo é a naturalidade do elo, o cordão umbilical que nos une. Eu pensei que morasse na poesia, mas é a poesia que mora em mim. 

- Carine Morais

CONVITE

Poesia é brincar com as palavras
como se brinca com bola, papagaio, pião.
Só que bola, papagaio, pião 
de tanto brincar se gastam.
As palavras não: 
Quanto mais se brinca com elas, 
mais novas ficam.
Como a água do rio que é água sempre nova.
Como cada dia que é sempre um novo dia.
Vamos brincar de poesia?

- José Paulo Paes - 1995

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Desperto

Caminhava por detrás de grandes óculos, terno amarrotado por metrôs lotados e pasta enigmática com fecho quebrado. Enquanto as ruas passavam por ele, os postes lhe sorriam sem muita receptividade, as horas corriam contra o tempo, mesmo as coisas que lhe pareciam contraditórias (como o horário de verão na primavera) faziam algum sentido, mas Epifânio em sua discrepante incompreensão, não.
Estava de braços dados com o abandono, o convívio o tornara a cara da indolência. Abandou seu jeans predileto, a barba por fazer, os pães da padaria, as caminhadas do fim da tarde, renunciou seu aquário querido, deixando morrer o peixe Billy, presente de uma ex namorada dos tempos de faculdade e tal qual um peixe fora d’água estava mais esgotado que o próprio Billy, que já partira dessa para melhor.  
Dois prédios, uma rua ao meio , uma janela e uma ideia,  essa era a distância que o separava do motivo que mudaria sua vida, lá estava ela, sentada e distraída, cabelos ruivos, primeiro dia de trabalho, o relógio fazia barulho, era meio dia, um ruído que nada mudaria o trajeto de seus olhos, apenas uma percepção desperta, vivaz. Após o tic do ponteiro, um tac entre os olhares que se encontraram, as mãos de Epifânio correram até o pincel que estava sobre a mesa, tic, tac... alguns rabiscos e uma placa que dizia: “Oi, tudo bem?”, foi erguida da varanda, o intento surtiu efeito, arrancando da moça bonita um sorriso aberto e alguns raios de sol. Até aqui, apenas uma divergência, uma Epifania ou a coerência que antes não existia, Epifânio enfim enxergava a vida.

- Carine Morais

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Chuviscando

Eu escrevo porque chove.
Enquanto sinto a boca seca, outras águas me transbordam.
Quando escrevo molho a palavra com a ponta da caneta, mato a sede, me liberto, derramo chuva no papel.

- Carine Morais

sábado, 24 de novembro de 2012

O empréstimo

Éramos todos moleques, criados às custas de frutas roubadas do pé, brincadeiras de criança e banhos de córrego no final da tarde. Um grupo seleto de muitas meninas e alguns poucos meninos, desde muito cedo as mulheres já predominavam a pequena vila. Entre os garotos do grupo estava Tizinho, nosso mascote, Tizinho porque o nome dele era Denílson, mas era somente assim que conseguia chamar o tio Zildo da Farmácia, tinha a língua presa e um apelido mais grudado ainda, ficou para sempre, como todo nome sem jeito que recebemos sem querer.
A vida parecia pequena naquele lugar, pequena porque éramos pouco crescidos para entendermos a imensidão de ruas tão estreitas, na verdade, tornavam-se gigantes por suas histórias, estávamos sempre informados de tudo que acontecia,  como o desaparecimento do Diego em dia de Cosme e Damião, e a festinha de 6 anos da Gláucia  a menina mais bonita do bairro, que quando andava balançava os cabelos de um lado para o outro. Referências marcadas em nossas memórias.
O local dos grandes acontecimentos era na rua "E", imagino que era "e" de encantada, uma rua comprida, sem muito acesso e com gigantescos pés de eucaliptos na saída, que não era bem uma saída, mas parecia infinita mesmo assim, ao lado das grandes árvores havia um terreno abandonado com terra batida e marcas de areia no chão, e é falando sobre esse pequeno cenário de gladiadores mirins que inicio minha história aqui pelo meio, no campinho de futebol, onde tudo começou.
Era um campeonato decisivo, para os moleques uma Copa do nosso mundo encantado, na torcida as meninas vibravam, inclusive eu, com grito de guerra ensaiado na garganta e pompons de papel crepom nas mãos, em menos de três minutos para iniciarem a grande partida, um conflito que partiu um coração, o de Tizinho. Chateado por outro ter sido escolhido em seu lugar, Ricardo o encrenqueiro, gritou da beira do campo, para o atacante do time:
-  Luis não joga com o Tizinho não, porque ele não tem pai!
Em um único tom, todos disseram: Hóoo! Estáticos pela afirmação.
Os olhos de Tizinho se arregalaram, tamanha era a força de seu espanto, teve tremedeira, suadeira, ânsia de choro... E chorou.
- Você não pode dizer isso Ricardo, não sabe do que está falando! Gritou Andrea a prima do pequeno Tizinho que estava na arquibancada.
- Pouco me importa sua bobalhona! Diga então a todos o que eu ainda não sei!
- O Tizinho não tem pai, porque o pai dele já morreu! Desabafou a menina disparando seu olhar de defesa a todos que ali estavam.
A gurizada nesse instante chocou-se inevitavelmente, porque morrer no nosso entendimento de criança era uma tremenda tristeza, era um sumiço que se sucedia e que pouco entendiamos, só sabíamos que era algo muito ruim, e o pior, era para sempre. Todos os olhares se lançaram em uma única direção, aquele rosto no meio do campo era um menino tristonho. Foi nesse instante que uma voz amigável surgiu por detrás dos reservas:
- Tizinho, se você não se importar, posso te emprestar o meu pai. Falou Luis, um tanto desajeitado.
Uma outra voz  também disse: "É, eu também."
E outra disse: "Sim, eu também posso". "É eu também..." "Sim eu posso..." "Eu também..."
De repente todos no campinho começaram a sugerir um empréstimo de pais por tempo indeterminado, até o Bernardo que era criado pelo padrasto deu sua contribuição, nessa hora Tizinho se encolheu dentro dos ombros, estava desconsertado, era assim que ele reagia quando estava encabulado, achou aquilo tudo um barato, quantos pais ele teria para ir em suas reuniões da escola? Quantos presentes de Natal? E quantos irmãos ele teria dali em diante! A atitude da molecada foi motivo de comemoração, fizeram o maior tumulto como se  a oferta de todos aqueles novos pais fosse a vitória de uma grande final, e foi, em especial para Tizinho, que mesmo sem partida e muitos gols, não parava de sorrir.

- Carine Morais

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Jacobina

Sentou-se na beira da cama e com a pontinha dos pés procurou por seus chinelos, ao arrasta-los notou que aquele par que a acompanhava há mais de um ano, parecia menor que o habitual, lembrou-se que desde sua mocidade seus sapatos sempre foram de número 38, motivo pelo qual a fazia reclamar de seus encalços indelicados, um tanto quanto grosseirões, mas aquele em especial caíra gradativamente para 36, ou seriam seus pés que já não eram mais  os mesmos? Arremeteu-se de um pensamento bobo, mas completamente lúcido para seus 87 anos de idade: "a gente encolhe com o tempo". Levantou com dificuldade, vestida com casaquinho de lã e bolinhas de cobertor entre os cabelos, os chinelos que acreditava serem sempre os mesmos, haviam sido trocados por uma colega de quarto do simplório asilo "Casa de Vivência", mas ao contrário de qualquer outra coisa que pudesse ser trocada ou abandonada, levava consigo um sentimento que nunca a desamparava, colocou-se de pé em frente ao espelho e com uma certeza que brilhava, disse para si mesma,  reconfortada: "hoje é dia de ser feliz" e sorriu, graciosa, satisfeita, sem mover as bochechas ressaltadas pelo tempo.

- Carine Morais

A missão do amor

 O homem sempre acreditou ter a missão de amar, mas ao contrário do que se pensa é o amor que nos tem como missão, está sempre disposto a nos alcançar.

- Carine Morais
Imagem: Cúpido por Paris Bordone

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

O homem que acordou sem saber se estava vivo

Abriu os olhos lacrimejados com remelas adormecidas, saiu para ver o sol tinindo queimando as roupas no varal, já na porta da casinha de Taipa deparou-se com a vida, prontamente abriu os braços para recebe-la, doída, efêmera, espalhafatosa, alguma verdades chocaram-se contra o peito, viu na experiência do dia a dia o que os estudiosos já previam na filosofia, na antropologia da vivência: toda dúvida gera mudança, duvidar é abrir espaço para o novo. 
Questionou se aquela vida seguiria, quis ser forte para lutar, sem pão e sem comida, abriu mão da sertaninha vila de Santa Cruz, interiorzinho do Ceará, foi-se embora para São Paulo, lá a vida era incerta, mas provável de muitas opções. Antes da partida, a mãe não queria, o pai não queria, nem os dez irmãos, de pergunta em pergunta respondeu a todos de uma só vez, em especial para si mesmo: aqui nasci, lá quero renascer, meu sonho de viver nesse lugar se foi com a chuva, que já não vejo mais cair, vou embora, mas um dia volto pra buscar vocês. Segurou-se a única certeza  e com lágrimas cheias de saudade, deixou para traz a terra que o concebou.
Após horas incontáveis, chegou ao seu destino, lugar desconhecido onde a lua cintilava, estrelas pouco se via, os prédios cobriam toda a cidade, no banco da rodoferroviaria dormiu pelo tamanho do cansaço, abriu os olhos quando já era dia, duvidava se aquilo tudo era verdade, só sabia que por dentro seu passado lhe comovia. 
Subitamente interrogações lhe agarraram pela gola da camisa o fazendo levantar, despertou numa tristeza que doía, apesar de ser um homem de incertezas, era cheio de muita coragem, não sabia ao certo que horas seriam, nem para onde iria, com a morte de um sonho lhe remoendo por inteiro, manteu-se vivo por insistência, acordou indisplicente, sem saber se estava vivo.

- Carine Morais

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Há quem seja dominado pela palavra, mas há aquele que possui a palavra na palma da mão.

81 minutos de documentário e eu passaria a tarde inteira conhecendo um pouco mais de Manoel de Barros. Um trabalho lindo, completo, fantástico e incomum, estou encantada com minha mais nova descoberta: a poesia manoelesca, cheia de simplicidades, insignificâncias valiosas e miúdezas raras.


 - Documentário sobre vida e obra de Manoel de Barros.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Digno de ser

"E nenhum poema será tão grande, tão nobre, tão verdadeiramente digno do nome de poesia quanto aquele que foi escrito tão só e apenas pelo prazer de escrever um poema."

- Edgar Allan Poe

terça-feira, 6 de novembro de 2012

O não-real o não-palpável

Eu não sou o que escrevo ou sim, mas de muitos jeitos. Alguns estranhos.

- Caio Fernando Abreu

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Heloísa

A manhã era fria, com o sol tentando sair lá fora, mas a grande neblina não o deixava. Heloísa havia acordado bem cedo, colocou-se de pé em frente a penteadeira envernizada e já não era mais uma menina com sete anos de idade, ao menos essa não era a sua visão, desejava ser adulta, tão bonita e enfeitada quanto sua mãe, um exemplo de vaidade; apesar da coerência do tempo, aquela manhã havia passado depressa, com a velocidade de onze anos mais tarde, um pulinho rápido, no futuro que a esperava. 
De volta para o presente, um grito na porta do quarto:
- Hô mãe, a Heloísa tá destruindo sua maquiagem! Gritava Marina, a irmã caçula um tanto quanto mimada.
- É mentira dela mãe, não tô fazendo nada. Rebatia Heloísa, enquanto limpava a maquiagem nas mangas do pijama. A mãe irritada com a briga das meninas, saiu da cozinha em direção ao quarto quando se deparou com a seguinte cena: Maquiagens espalhadas pelo chão, batom amassado no vidro do espelho, sombras cintelescas quebradas ao meio e o rosto de Heloísa completamente pintado. O resultado já era de se esperar, muitas broncas e o castigo de ficar o dia inteiro sem sair do quarto. No sofá da sala Marina contia o sorriso maldoso do infortúnio da irmã mais velha, enquanto a menina inconformada, maquinava uma forma de escapar dali.
O plano era bem simples, reunir o maior número de roupas possíveis para tentar fugir, e assim ela o fez: numa trouxinha velha reuniu peça por peça de seus pertences mais valiosos: uma calcinha de babado, um shortinho para o calor, uma camisetinha sem mangas e a Barbie sereia que ganhou de Natal. Após uma conferência rápida do que necessitava, deu um nó ligeiro, fez um laço de qualquer jeito, tudo muito bem pensado, em poucos minutos seu plano de fulga estaria consumado.
Marina era astuta, assistia aos seus desenhos favoritos imaginando que sua irmã jamais aceitaria o castigo que recebera, tranquilamente foi até o quarto e descobriu que ela estava de caso pensado, confirmou suas suspeitas quando a própria Heloísa afirmou que nunca mais voltaria ali.
Correu depressa até o quintal onde sua mãe regava plantas de todos os tipos, disse afobada:
- Mãe, a Heloísa falou que vai fugir!
A mãe não deu muita importância, continou a regar. Encafifada, minutos depois, Marina retornou ao jardim.
- Manhêe, a Heloisa tá fugindo, ela tá indo embora.
De nada adiantou. Virou-se de costas recolhendo adubo para as rosas.
Impulsivamente, Marina puxou a saia da mãe, afim de chamar sua atenção e falou insistente:
Hô mãe, a senhora não me escutou não?! A Heloísa tá fugindo de casa!
Virou-se institivamente. 
- Que conversa é essa Marina? Eu a deixei de castigo.
- É. Só que ela não quer mais morar com a gente. 
A mãe correu até o quarto, chamou Heloísa duas vezes, ela não respondeu. Abriu a porta com cuidado e deparou-se com a fuga de sua pequena.
Heloísa estava deitada na cama, agarrada a trouxinha de roupas, dormindo em sono profundo com sua boneca debaixo do braço, o plano não havia dado certo, a mãe abriu a trouxa que ela pretendia carregar, sorriu ao perceber como era doce a ingenuidade de criança,  aproximou-se da menina deu-lhe um beijinho no rosto e aliviou-se com a sorte de a te-la ali tão perto.

- Carine Morais

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Anseio

Quero tudo em mim,
todas as cores,
Todos os risos,
Todas as danças,
Toda canção que marca,
Todos os timbres,
Todas as raças.
Quero toda coragem de ser
Sem a aparência de nada parecido,
Não quero a cópia,
A imitação forjada,
A xerox apagada.
Quero tudo unicamente em si,
Ver em mim,
Infinitamente ter
Toda a vida que vejo ser.

- Carine Morais

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Metamorfose ambulante

Doralice sempre foi sonhadora, pessoa imaginativa do tipo passada, não dessas que se inclinava ao mundo, o mundo na verdade, era que sempre se desviava. Um tanto quanto distraída, para variar nascida no dia 16, data esta que pela numerologia, era marcada como o dia dos desastrados. Até aqui, alguma coisa fez sentido.

Tropeçava nos tornozelos, batia o dedo mindinho na quina do sofá, ao bocejar mordia a própria língua... Como? Ninguém sabia ao certo explicar, as coisas simplesmente não coincidiam com a realidade de Dorinha.

Tudo começou em sua concepção, seus pais em lua-de-mel, recém-casados e apaixonados, fizeram amor translúcido numa praia deserta, resultado: uma filha com cara de paisagem.

No maternal chegaram a suspeitar que aquele anjinho perdido fosse vítima de autismo, nada comprovado, Doralice fazia mais parte desse mundo do que muitos podiam imaginar.

No jardim de infância vivia rodeada de amigos, que com ela repartiam o lanche, os briquedos, as tarefas de casa, conversavam horas a fio, entretanto ninguém os via, o real motivo: eram todos imaginários. 

Já no Ensino Fundamental, por volta dos 12 anos de idade, era a quarta aluna da lista de presença e sempre a última a responder, perdia a chamada, perdia a piada, ria por último, mas nunca ria melhor.

Tinha o sonho de ser atriz, mas no teatro do colegial seus papéis principais nunca eram maiores do que o de árvore coadjuvante.

Entrou na adolescência como quem entra na sala da faculdade errada, na casa errada, no planeta errado, era vermelha de nascença, sempre envergonhada por suas mancadas. Motivo de chacota, zombaria, avacalhação.

Mas um dia, a coisa mudou de figura, Doralice se tornou mulher e como num transe de quem dormia enquanto andava, foi acordada para a própria vida, passou no vestibular de universidade renomada, ganhou bolsa de estudos no exterior, aprendeu inglês, francês, melhorou seu português, fez o básico de Alemão, formou-se em Direito, e como era de direito retornou ao seu país.

Mal a reconheciam, havia sido transfigurada, falava em público, não gaguejava, nem vermelha ela ficava, até seu aniversário passou a comemorar no dia 17, causou alvoroço na pequena cidade. 

O que aconteceu com ela até hoje não se sabe, a menina Dorinha ou melhor dizendo, Drª Doralice, tornou-se tão misteriosa em sua sorte quanto em tempos antigos em seu azar, subiu ao palco da vida, descobrindo que tudo o que desejava era capaz de conseguir. A vida que não passava de tragédia, tornou-se um verdadeiro espetáculo e sem piadas ou gargalhadas, a metamorfose ambulante foi aplaudida de pé.



- Carine Morais
Canção: Metamorfose ambulante / Raul Seixas

terça-feira, 23 de outubro de 2012

O plano de Isadora

Ele a seguia freneticamente pelas ruas do pequeno bairro, a perseguia insistentemente, cansativo e barulhento até chamar sua atenção.
Isadora, a menina alvo da perseguição  segurou-lhe por entre os pequenos dedos e disse olhando dentro de seus olhos: aposto que está pensando que sou sua mamãe,  não é? Não se preocupe, vou levar você comigo. E foi amor a primeira vista, um sentimento sem igual, aquela bolinha de pêlos lisinhos, possivelmente órfão de pai e mãe  se tornou seu grande companheiro, seu mais novo filho, um pequenino pintinho amarelo.
E agora o que fazer? pensava Isadora ao planejar uma forma mirabolante de levá-lo para dentro de casa. Seu pai, completamente conservador jamais permitiria que aquela criaturinha entrasse em seus aposentos, lembrou-se de um dia em que ele havia impedido a entrada de um cachorro em seu quintal. Sua mãe  dona de casa dedicada, diria certamente que aquilo era loucura, um desrespeito as ordens de seu pai. E foi exatamente com ela previu:
- De onde você tirou isso Isadora?! Onde foi que você pegou? Dizia a mãe assustada, temendo que o pai escutasse o piado do pequeno.
- Mãe eu não roubei! ele me seguiu até aqui, está sozinho pobrezinho, não tem ninguém, deixa eu ficar com ele, deixa vai, deixa! 
- Sabe que por mim não há problema, mas sabe bem como é seu pai.  Lamentava preocupada, passando uma pilha de roupas enquanto o pinto piava. A menina se entristeceu, e como num gesto de despedida, abaixou a cabeça  passando seu dedinho indicador por entre os pêlos do filhote. A mãe relutou.
- Porque não pergunta pra Receba se ela não quer ficar com ele? Ela é cheia de bichos pela casa e o pai dela jamais implicaria com a chegada de mais um. 
Rebeca era a vizinha encrenqueira da família,  a típica Felícia que adorava maltratar os animais. Enquanto sua mãe lhe fazia a proposta descabida, Isadora visualizava seu pequeno filhinho esmagado pelas mãos da garota perversa.
- Não! Isso é maldade mãe,  ela não sabe cuidar, ela machuca, bate, não sabe dar comida. Deixa ele comigo vai?
Comovida com o apelo da filha, decidiu concordar com o que pedia: está bem! fique com ele, mas dê um jeito de fazê-lo parar de piar, seu pai está vendo Jornal na sala e se ele escutar, você nunca mais irá vê-lo. A advertiu enquanto borrifava um casaco de Brim.
Isadora sorriu, repentinamente encheu-se de toda felicidade e posse de uma verdadeira mãe, ela temia perdê-lo e em virtude da intolerância de seu pai, resolveu fazer conforme sua mãe a pedira, se quisesse continuar com o bichinho, deveria acabar de vez com os seus ruídos, foi então que encontrou uma solução  e teve segundo ela, uma brilhante ideia. A medida que sua mãe se dedicava em sua tarefa, a menina cuidadosamente colocou o pintinho dentro de uma gaveta vazia e o trancou. Com o piado abafado seu pai não o poderia ouvir, e ali fechado e isolado, estaria seguro.
O pintinho que piava aflito começou a piar mais alto ainda, até que lentamente perdia suas forças dentro da gaveta escura e abafada, um piu a cada dois ou três minutos e nada mais se ouvia sair dali. A mãe distraída em seus afazeres, dobrava roupas a cantar, a menina abaixada e quietinha, com o ouvido grudado no guarda-roupas velho, pensava inocente e resignada, vislumbrando seu plano de o tê-lo para sempre: - acho que agora ele dormiu.

- Carine Morais

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Maria Dália Helena

Quando nasceu Madalena, um anjo adentrou a sala de parto e com vestes de fios dourados declarou em voz alta: esta menina será poesia!
Inclinou-se em direção ao médico, deu-lhe um tapinha nas costas e saiu pela janela, rumo ao céu celestial.
A mãe sem entender nada, ainda sob efeito da anestesia disse fraca, entontecida: vai se chamar Maria!
E assim começou uma bela história, já na porta do cartório o pai atarantado se recusou a registrar a menina:
- Se o anjo disse que será poesia porque diacho tem que se chamar Maria?
- Homem, não questiona, dizia a mãe agitada, com corte de cesariana na barriga e poesia nos braços: - o nome escolhi por causa da virgem santa.
- Mulher, profecia de anjo não pode ser ignorada, nossa filha tem carinha de flor rosada do campo, bonita feito Dália e assim deverá se chamar. Tem poesia maior que esta?
Nesse instante o tabelião já impaciente disse com voz abafada por detrás do vidro que o separava: se for pra respeitar o presságio do arcanjo, porque não coloca Helena, nome forte e de inspiração?
Os pais se entreolharam espantados e com olhos desconfiados exclamaram em uníssono tom: Alguém aqui pediu sua opinião?
Fez-se então um escarcéu dentro do cartório, o pai não queria Maria, a mãe não queria Dália e o funcionário descabido se negou a registra-la.
Foi preciso intervenção do padre da cidade que chamou os marinheiros de primeira viagem para uma conversa de decisão.
Primeira indagação do Olegário:
Mãezinha me diga cá uma coisa só, o anjo em sua aparição disse com afirmação que a menina deveria se chamar Maria?
- Seu padre, em verdade verdadeira, ele num disse não.
Segunda e última indagação:
Seu Antonio veja cá só uma coisa, a meu ver, é bonito de sua parte querer nome de flor, mas o senhor já pensou que rosa murcha e com o tempo perde a cor?
De repente caiu sobre os principiantes uma luz bem forte do alto dos céus, 
clarão tão alvo capaz de cegar a todos que ali estavam.
Era o anjo do prenuncio e em seu segundo surgimento falou-lhes com voz cantada:
- Presságio Divino não pode causar contenda, se há confusão de escolha da graça da pequena, porque não fazes uma junção? (Pluft!)
E sumiu deixando fumaça, feito trem na estação.
Estáticos, comovidos, o silêncio cobriu o recinto, sendo possível ouvir as batidas de quatro corações. O padre emocionado e como na cena de "O Rei Leão", levantou poesia nos braços batizando-a de Madalena.
Conforme mensagem do anjo bendito, a promessa se cumpriu, Madalena cresceu faceira, delicada em sua predestinação, seus sorrisos cheios de poemas, seu nome por si só já era a mais pura poesia e beleza igual a dela, nunca, em nenhum outro lugar, se viu. 

Carine Morais

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

No fio da vida

No fio da vida, 
um segue, 
para cada lado, 
o outro se vai 
e restam os "nós" 
que cada um 
vai tentando desatar. 
"nós" que apertam a garganta, 
que preenchem 
cada centímetro de instante, 
"nós" que nos atam, 
mas não desatam, 
sem deixar espaço para nós.


Duplamente poesia 
por: Paulo Sotter / Carine Morais
Imagem: Pablo Picasso

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Divididos

Isso tudo que nos prende, um dia desses de repente, ainda vai nos separar de nós. 

- Carine Morais

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Os pequenos que moram em nós


Ser criança é um estado de graça, condição que passa tão rápido quanto um estalar de dedos.
Ao contrário do que muitos pensam, criança não cresce com o tempo, ela simplesmente encolhe, vai saindo o adulto que temos e internalizamos a criança que há em nós.

Tem gente que encolhe e desaparece, ao invés de ser criança no corpo de adulto, torna-se idoso no corpo de um velho, fica amargo, resmungão e a medida que a idade chega, a infância gradativamente se esvai.

Alguns encolhem propositalmente para que caibam no coração, já outros tornam-se compactos, para se encaixarem direitinho na memória e vez ou outra recordarem o quanto ser criança é bom.

Infância sempre traz coisa boa, traz gosto de manga de vez com sal, traz jabuticabeira do vizinho, aquela que enchia nossos olhos de jabuticaba, literalmente, com um brilho incomum.

Infância traz banho na chuva correndo descalço pela enxurrada, traz bicho de pé com coceirinha boa, dente mole com medo de arrancar, traz piolho, catapora, picada de muriçoca, traz aposta pra ver quem chega primeiro.

Amarelinha no pátio da escola, pipa nas férias de verão, traz medo do escuro do lado de fora, mas aí quando crescemos descobrimos que não há escuro pior, do que aquele que possa existir dentro de nós.

Infância traz medo do boneco Chuck, do abominável homem das neves, do bicho papão, traz bola de gude em sol escaldante, esperança de presente no Natal (contanto que sejamos bons meninos). Traz vaca amarela que pulou a janela, a mesma que teve o vidro quebrado por um pestinha da esquina.
Traz apelido que pega, aquele que carregaremos pelo resto da vida, assim como aquela cicatriz no joelho da primeira queda de bicicleta ou da pereba de vacina no braço, marquinha essa que dói pra chuchu, falando nisso, infância traz Brócolis e Jiló no almoço, com todas as caras feias que fazíamos para comer.

Da infância carregamos traços fortes que marcam nossa personalidade, marcam o início da nossa existência, fase da qual contaremos as melhores histórias.

Meninice é lugar onde tudo é muito intenso, desde a espera por um brinquedo prometido (jamais prometa algo a uma criança que não possa cumprir, ela não desistirá de você) até a chegada de um novo irmãozinho, a descoberta de um novo vizinho, o primeiro dia de aula.

Para criança não existe “o dia”, existe o instante, o minuto, a eternidade, quando somos pequeninos, não calculamos a velocidade do tempo que nos encolhe e muitas vezes nos separa de nós, não imaginamos que uma das melhores fases da vida passe assim num piscar de olhos, que de repente os sapatos de nº 26 já não nos servem mais, que as roupas encurtaram e foram encolhendo assim como nossa inocência.
 
Talvez por essa ânsia de viver, desejamos crescer tão depressa, e isto está inconscientemente externado nas brincadeiras de casinha, de papai mamãe e filhinho, queremos ser gente grande, maiores do que já somos, desejamos descobrir o que está encoberto, a curiosidade grita, a fita métrica não nos poupa dos anos que passam rapidamente, crescemos, é então que ao invés de sermos crianças, estamos crianças, passamos crianças, como quem passa um dia no parque de diversões e a infância que deveria ser o mais aproveitado dos estágios, torna-se um ciclo breve, quase que comum, seguindo vida a fora, encolhida e secreta, mas sem jamais sair por completo de dentro de nós.

Carine Morais