quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

História de um fim

Era como ferida aberta. 
Tudo que caía dentro doía.
A lembrança cortava-lhe o âmago,
A culpa duramente batia,
A falta lhe apontava o dedo,
Para o sossego não havia remédio,
Senão o desespero.
Dor que partia.
De parto,
De perto,
De longe,
Não se sabia.
Era cedo demais para não viver
E tarde ainda para sentir-se vivo.

Carine Morais

16 comentários:

  1. En ocasiones se siente que es demasiado pronto para no vivir y demasiado tarde para sentirse vivo.
    Un gran Post.
    Vamos a abrir el libro, sus páginas están en blanco, escribamos Palabras sobre nosotros mismos. El Libro se llama Oportunidad y su primer capítulo es el día de Año Nuevo.
    Demos paso a los Sueños y vistamos radiante a la Realidad.
    Abraços e beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Pedro,
      É de grande importância sabermos utilizar o livro das oportunidades, nele certamente vem escrito que: apesar das dificuldades é sempre possível recomeçar.
      Obrigada por sua presença,
      me alegra sua visita!

      Beijos e abraços

      Excluir
  2. Nada mal, tô meio triste

    Ando errante, infeliz

    Tá difícil meu sossego

    Sem vontade de sorrir

    Mas eu sei do nosso apego

    Sei o que queres pra mim

    Vou enxugar meus olhos vermelhos

    Pois você me quer feliz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente assim, quero vê-lo feliz, nunca triste pelos cantos, mas sorrindo pelo meio. Que o mundo em que vivemos seja pequeno para tudo o que você ainda irá conquistar.

      Abraço forte

      Excluir
  3. É isso aí, gostei bastante, para mim fechou bem com as duas últimas frases. A penúltima sugere que vida continua, o sofrimento está presente mas devemos superá-lo. A última é bem interessante, pois há relacionamentos que são como tsunamis em nossas vidas, elas nos deixam vivos e intensos por um período de tempo, mas depois quando passam, parecem a arrasadores. Percebemos o quanto estivemos vivos enquanto ele existiu, mas quando acaba...ficamos flutuando...nos perguntando...e nem acreditamos que já se foi. Essa foi a minha interpretação.

    Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daniel,
      Obrigada por vir aqui!
      Sua interpretação é riquíssima, conseguiu absorver a ideia que quis passar: feridas se abrem todos os dias, mas se fecham com os cuidados preciosos do Dr. tempo.

      Beijos meus

      Excluir
  4. Carine,além de agradecer sua amizade e visitas, vim trazer-lhe meu desejo de um ano diferente e melhor, pleno de trabalho verdadeiro, realizações e produção, além de reconhecimento por transformar para melhor as pessoas que cruzam sua existência. Receba meu abraço carinhoso,e tenha sempre bons dias.
    Beijocas.
    Lilian - ♥Duas Moças Prendadas!
    casascoisaseoutros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho Lilian!
      Que 2013 seja um ano transformador em sua vida, muita saúde, paz, felicidade e que você continue a seguir transformando a vida de outras pessoas.

      Beijos meus!

      Excluir
  5. Oi, Cá, boa noite!!
    Ah, as feridas abertas, consumidoras insaciáveis de tudo que pensamos, vemos, sentimos, fazemos, ouvimos, falamos... Tudo que encosta nelas as faz sangrar... E as lembranças são assim, um misto de bem e mal, uma pluma que acaricia, uma faca que corta. É... Menina... Tem dias cedo demais para não viver, tarde demais para estar vivo. Versos preciosos! Adoráveis! Amo essa construção preciosa do sentimento.
    Um beijo carinhoso
    Doces sonhos
    Lello

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia Lello!
      Feridas abertas possuem verdadeiro ímã de atrair tudo para elas, assim como o dedo mindinho que esbarramos no cantinho dos móveis, é involuntário e indesejado, porém acredito exatamente nisso que você falou, lembranças são mistos de bem e mal e coisas boas também podem ser atraídas para o que dói, a exemplo da experiência e da coragem de se reerguer, de achar graciosa a ideia de ainda estar vivo.

      Obrigada por sua doce presença,
      Beijos meus!

      Excluir
  6. A vida é feita de uma sucessão de pequenas mortes. Dores que vão se somando ao andar e com as quais nos acostumamos; Ausências que se fazem presentes em tantos caminhos. Vale aprender a lidar com as perdas e acreditar sempre no novo amanhecer, cada dia tem em si a potencialidade da vida e nele todas as possibilidades. O próximo minuto é sempre uma incógnita e pode descortinar toda a felicidade do mundo. Gosto demais dos teus textos. Um abraço

    ResponderExcluir
  7. Oi Paulo,
    Como é bom vê-lo por aqui!
    Adorei sua frase:
    "Cada dia tem em si a potencialidade da vida e nele todas as possibilidades." Que coisa mais linda, mais certa de se compreender. O texto fala de dores que passamos com o final de alguns ciclos, mas sua reflexão nos oferta a possibilidade de continuar.

    Obrigada!
    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Respostas
    1. Obrigada Fabi!
      Adorei te ver por aqui.

      Beijos meus :*

      Excluir
  9. Lindo, Amora...apesar de triste. Muitas vezes nos perdemos diante da dor, mas é isso...a poesia sempre nos resgata.

    Beijos, querida!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Karinne, a poesia tem efeito Merthiolate, a colocamos sobre a ferida e nos sentimos aliviados.

      Obrigada por vir até aqui.
      Beijos, amora!

      Excluir